Confiança

Treinador da seleção de basquete 3x3, Douglas Lorite confia em bom desempenho no Pré-Olímpico

255.V

Wander Roberto/COB
Competição está marcada para o ano que vem, na Índia, ainda sem data definida

Competição está marcada para o ano que vem, na Índia, ainda sem data definida

A seleção masculina de basquete 3x3 vai em busca de um lugar nos Jogos Olímpicos Tóquio 2020. Na última semana, a FIBA anunciou as seleções classificadas diretamente para os Jogos Olímpicos e os países qualificados para o Pré-Olímpico. Em março do ano que vem, na Índia, ainda em cidade e data a serem confirmadas, a equipe brasileira terá a chance de brigar por uma das três vagas em jogo.

A seleção caiu no Grupo A, ao lado de Polônia, Turquia, Espanha e Mongólia. Os dois melhores da chave avançam direto para as quartas de final. E os três medalhistas da disputa vão se garantir em Tóquio 2020. O Grupo B tem EUA, Lituânia, Bélgica, Coreia do Sul e Nova Zelândia. O Grupo C conta com Eslovênia, França, Catar, Filipinas e República Dominicana. E o D terá Holanda, Letônia, Canadá, Croácia e Índia. O técnico Douglas Lorite está confiante nas possibilidades do Brasil.

- O grupo que caímos é forte. Considero a Polônia a equipe mais forte desse grupo, seguido de Mongólia, que vem dando muita experiência internacional para o time. Espanha e Turquia, com um pouco menos, mas também virão fortes. Mas o Brasil tem condições de brigar com todos os times da chave. Vamos começar já o planejamento feito há um mês. E vamos lutar até o fim para conseguir esta vaga.

Este ano, o Brasil jogou o Mundial em Amsterdã, na Holanda, além de outros torneios internacionais. No sub-23, por exemplo, o país fez quatro jogos no Mundial e venceu três. E conquistou a medalha de prata nos Jogos Mundiais de Praia, vencendo a campeã mundial Rússia na primeira fase. Para o treinador, a evolução do Brasil está muito ligada ao intercâmbio e a quantidade de torneios jogadas nos últimos meses.

- A evolução é proporcional ao que jogamos internacionalmente. Tivemos dois torneios no adulto, dois de sub-23 e um de sub-18 masculino. Então, só jogando conseguimos igualar o nível internacional. Mas, agora não dá mais tempo de jogar mais nenhum campeonato. Jogamos, sentimos a diferença, absorvemos e agora é colocar em prática nos treinos para chegar preparado lá.

www.cob.org.br
Comitê Olímpico do Brasil

Mais...

Buscas

Todas as notícias