Superação

Participação brasileira no biatlo e no curling em Lausanne 2020 é marcada por superação de obstáculos

502.V

Anders Petterson
Taynara da Silva sofreu queda nos 10km, mas terminou a prova; no curling, equipe brasileira comemorou muito ponto contra a China

Taynara da Silva sofreu queda nos 10km, mas terminou a prova; no curling, equipe brasileira comemorou muito ponto contra a China

O Brasil precisou superar alguns obstáculos no segundo dia de disputas dos Jogos Olímpicos da Juventude de Inverno Lausanne 2020. Taynara da Silva passou por cima do cansaço, de uma queda e de dores na coxa para completar a prova de 10km do biatlo na 92ª colocação entre 97 atletas. A equipe brasileira de curling, por sua vez, sofreu nova derrota, mas a alegria com os que os atletas comemoram o único ponto na partida, e como reagiram à derrota, arrancou aplausos de torcedores das mais diferentes nacionalidades na arquibancada da Arena Champery. Uma prova de que as bonitas histórias do esporte olímpico não se constroem apenas com grandes vitórias.

“Batalho todos os dias para estar aqui, treinei para disputar os Jogos Olímpicos da Juventude. Não podia desistir da prova depois de tanta dedicação e esforço”, contou a biatleta.

Por volta das 10h30 da manhã no horário local (6h30 no horário de Brasília), a roraimense Taynara da Silva iniciou o seu percurso na prova de 10km do biatlo. São cinco voltas de 2km, com quatro paradas para tiro. Em cada uma delas, o atleta atira cinco vezes em alvos a 50m de distância, sendo duas sequências de tiros em pé e outros duas, deitadas. Na primeira metade da prova, a atleta, que hoje reside no interior de São Paulo, foi muito bem, acertando seis dos dez tiros. Porém, na segunda parte da prova, Taynara sentiu o cansaço, sofreu uma queda e começou a sentir muitas dores na coxa direita. O mais fácil seria desistir, mas a jovem de 17 anos se superou e completou a prova em 92º lugar dentre 97 atletas.

“A primeira parte teve condições de vento muito complicadas, e a Taynara acabou indo bem nos dez primeiros tiros. Depois o aproveitamento caiu. Na quarta volta, ela acabou sofrendo uma queda e teve muitas dores, mas deu seu máximo para fechar a prova”, disse Camila Freitas, técnica de Taynara. O ouro foi para Alena Mokhova, da Rússia, a prata para Jeanne Richard, da França, e o bronze para Yuliya Kavaleuskaya, de Belarus.

Curling
O quarteto brasileiro, formado por Vitor Melo, Michael Velve, Gabi Rogic Farias e Letícia Cid, deu um exemplo de espírito esportivo. Diante de uma China com um desempenho impecável nos três primeiros ends, os jovens brasileiros mostraram o quão importante é não desistir e conseguiram marcar um ponto na última pedra do quarto end. Um ponto muito comemorado na pista, principalmente por Michael, e que deixou Leticia incrédula, enquanto Vitor e Gabi se abraçavam. A alegria brasileira, como já é tradição, contagiou a torcida, das mais diferentes nacionalidades, que lotou as arquibancadas da Arena Champery.

Veja o vídeo: https://twitter.com/timebrasil/status/1216038408818241536

O placar final foi 14 a 1 para a China, mas isso era o menos importante. “Acho que conseguimos nos divertir neste jogo. Fizemos uma partida melhor do que contra a Alemanha, evoluímos e isso é o que importa para nós. É uma honra defender o Brasil e ver a comemoração da torcida no ginásio. Foi emocionante”, disse Vitor, responsável pelo lançamento da pedra.

Todos os jovens atletas ainda voltam a competir em Lausanne. A equipe de curling joga neste domingo, às 6h (horário de Brasília), contra a favorita Dinamarca. Na segunda enfrentam a Hungria e, na terça, encerram a participação na fase de grupos contra a Suíça. Taynara disputa a prova dos 6km no biatlo no próximo dia 14.

www.cob.org.br
Comitê Olímpico do Brasil

Mais...

Buscas

Todas as notícias

Publicidade
  • Aulas
  • Judocam 300x250 - Pai, invista...
  • PARA ABENÇOAR

Outras notícias...